Arquitetos e urbanistas propõem ações para fomentar Lei de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (ATHIS)

 

Publicado em: Novembro 23, 2018

Fonte: Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas

Aproximar a Lei de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (ATHIS) das comunidades, das universidades, do poder público e das entidades profissionais de arquitetura e urbanismo para que haja um trabalho conjunto em prol da sua efetiva implementação. Esta foi a premissa apontada pelos arquitetos e urbanistas que participaram da oficina Habitação de Interesse Social e Assistência Técnica Pública e Gratuita, no 42º Encontro Nacional de Sindicatos de Arquitetos e Urbanistas (ENSA), em Brasília, nesta sexta-feira (23). Mediada pelo presidente do Sindicados dos Arquitetos no Estado de São Paulo (SASP), Maurilio Chiaretti, e pelas arquitetas e urbanistas Karla Moroso, Paola Maia e Taiane Beduschi, da Ah! Arquitetura Humana, a atividade provocou os profissionais que, divididos em grupos, elencaram sugestões relativas à formação de redes e parcerias, à capacitação e formação profissional, à sensibilização e à atuação dos sindicatos.

Conforme a diretora de Relações Públicas do Sindicato dos Arquitetos do Distrito Federal e coordenadora da Comissão Temporária de Assistência Técnica da entidade, Leticia Miguel Teixeira, as redes e parcerias podem ser estabelecidas com universidades, com movimentos sociais e com o poder público federal. “Estamos sem voz junto ao governo, precisamos aprimorar nossas ações”, salientou. A arquiteta e urbanista citou também a necessidade de ampliar as fontes de financiamento para assistência técnica junto aos bancos e às cooperativas de crédito e o uso de materiais sustentáveis.
Laisa Stroher, diretora de Politicas Publicas da Federação Nacional dos Arquitetos (FNA), abordou como fortalecer a capacitação e formação profissional em prol da ATHIS. A sensibilização dos professores e o intercâmbio dos estudantes com áreas afins, como serviço social e direito, por exemplo, foram lembradas enquanto necessidades primordiais na preparação dos novos profissionais. José Carlos Loureiro, diretor do Sindarq ES, destacou que esse público se divide em dois grupos.
“Temos quem está entrando na faculdade e a turma que já se formou sem este conhecimento sobre habitação social.”
Para sensibilizar os envolvidos pela ATHIS, o ex-presidente da FNA Ângelo Arruda sugeriu ações baseadas na força da união dos profissionais com suas entidades representativas. “Essa é uma das mais poderosas ferramentas para chegar no poder público”, ressaltou, sugerindo também um trabalho direto de divulgação com os líderes comunitários. “A ATHIS é o pré-sal da profissão – vai exigir um novo olhar sobre o exercício da arquitetura”, pontuou. A secretária de Organização e Formação Sindical da FNA, Fernanda Simon Cardoso, citou a necessidade do trabalho das entidades sindicais junto às universidades e às comunidades.